Assine nossa Newsletter

Cadastre-se para receber as últimas notícias do Museu.


Assine nossa Newsletter

Cadastre-se para receber as últimas notícias do Museu.


Exposição Recife Nagô homenageia e resgata a história do Sitio de Pai Adão

A abertura da mostra acontecerá no dia 02.12 e irá reunir registros inéditos, resgatando a valorização dos patrimônios culturais e sociais da comunidade-terreiro

O Museu da Cidade do Recife recebe a exposição “Recife Nagô – Imagens e histórias do Ilê Oba Ogunté por Manoel Papai, Mateus Sá e Pierre Verger”, no período de 02.12.23 a 31.01.24. A mostra tem o objetivo de reforçar a importância social, histórica, cultural e patrimonial da mais antiga comunidade-terreiro do xangô pernambucano, que é o Ilê Obá Ogunté, popularmente conhecido como Sítio de Pai Adão, localizado no bairro de Água Fria, na cidade do Recife.

A exposição é um resgate histórico para a cidade. “Recife Nagô  traz o  Recife afro diaspórico na afirmação das suas identidades  religiosas e dos seus lugares sociais “, ressalta Raul Lody,   que faz a curadoria da exposição com Augusto Lins Soares. A mostra homenageia e celebra a importância do trabalho que vem sendo desenvolvido ao longo dos anos no terreiro de candomblé mais antigo de Pernambuco, representado na pessoa de Manoel Costa, conhecido como Manoel Papai, e que este ano completa 45 anos como babalorixá do Sítio, primeiro terreiro de matriz africana a receber tombamento como patrimônio estadual e o segundo terreiro tombado no Brasil.

Em meio as homenagens, a exposição “Recife Nagô” apresentará ao público 50 imagens, em cores, do fotógrafo e artista visual pernambucano Mateus Sá, com fotos inéditas da Festa de Yemanjá 2022. A exposição ainda contará com 12 fotografias pioneiras, em preto e branco, do fotógrafo francês Pierre Verger, datadas de 1947. Nesse período, Verger passou vários meses no estado de Pernambuco, fotografando a cultura popular e incluindo fotos de cultos religiosos, dentre as quais, as realizadas no Ilê Obá Ogunté, sendo considerados os primeiros registros fotográficos do Sítio de Pai Adão.

Ao chegar ao museu, os visitantes terão a oportunidade de vivenciar e conhecer a história de várias maneiras. “Esta é uma exposição para ver, ler, ouvir, sentir, refletir. Foi concebida com conteúdos inéditos e iconográficos para celebrar o terreiro de xangô mais antigo de Pernambuco. As imagens em grande formato convidam o visitante a pedir licença e entrar na história centenária do Ilê Obá Ogunté – Sítio de Pai Adão, que tem papel fundamental na formação da cultura afro-brasileira”, relata Augusto Lins Soares, curador e designer.

Na exposição, haverá a instalação “Águas de Yemanjá”, da artista plástica Thiana Santos, em homenagem ao orixá fundador das tradições Nagô no Recife. A riqueza da história do Sítio será contada no minilivro ilustrado “Águas de axé”, de Raul Lody, que será distribuído gratuitamente aos visitantes. Além das fotos de Mateus Sá e Pierre Verger, a exposição vai exibir imagens do dia em que o terreiro foi tombado com a presença de Manoel Papai, Tia Mãezinha, Waldemar Valente, Fernando Freyre, Francisco Bandeira de Melo e Raul Lody; livros sobre o Sítio de Pai Adão, como “Pessoas, coisas & animais”, de Gilberto Freyre, e “Enciclopédia negra: biografias afro-brasileiras”, de Flávio dos Santos Gomes, Jaime Lauriano e Lilia Moritz Schwarcz. E, além das fotos e dos livros, os visitantes poderão assistir a um vídeo com trechos da entrevista de Manoel Papai para a Fundação Joaquim Nabuco, contando a história e a importância do Ilê Obá Ogunté – Sítio de Pai Adão para a cultura brasileira.

Programação – Além da mostra iconográfica, a exposição vai realizar dois eventos, Encontros Nagôs, no Museu da Cidade do Recife. O primeiro será no dia 6 de dezembro, quando acontecerá um bate-papo com a participação de Manoel Papai e Raul Lody, conversando sobre a história centenária do Ilê Obá Ogunté – Sítio de Pai Adão. Já o segundo encontro será no dia 13 de dezembro, manhã e tarde, quando ocorrerá uma de contação de histórias sobre o Sítio e a cultura Nagô com a professora Adélia Oliveira, com a participação de alunos da Escola Municipal Poeta Solano Trindade, localizada próximo ao Sitio de Pai Adão, em Água Fria.

Realização – A exposição “Recife Nagô – Imagens e histórias do Ilê Oba Ogunté por Manoel Papai, Mateus Sá e Pierre Verger” tem a curadoria de Augusto Lins Soares e Raul Lody, a realização da Janela Gestão de Projetos – Dida Maia e Fernanda Ferrario e conta com o incentivo cultural do Sistema de Incentivo à Cultura (SIC)/ Fundação de Cultura Cidade do Recife / Secretaria de Cultura / Prefeitura da Cidade do Recife.

Serviço:

Ação: Exposição ““Recife Nagô – Imagens e histórias do Ilê Oba Ogunté por Manoel Papai, Mateus Sá e Pierre Verger”
Data de abertura: 02.12.2023
Horário: 10h
Período de funcionamento: 02.12.2023 a 31.01.2024
O Museu da Cidade do Recife funciona para visitação de quarta a sexta, das 10h às 17h, e aos sábados e domingos, das 10h às 16h.

Texto: Dupla Comunicação

By | 2023-11-24T17:33:36-03:00 24 de novembro de 2023|Notícias|0 Comentários

Deixar Um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.