Exposição e lançamento de livros no MCR lembram a era de ouro dos dirigíveis

Eram 19h35 de 22 de maio de 1930 quando quase 15 mil pessoas presenciaram, no ermo Campo do Jiquiá, na Zona Oeste do Recife, a primeira chegada de um dirigível vindo da Europa para a América do Sul. O histórico feito ocorrido na capital pernambucana será relembrado a partir do próximo domingo (21) no Museu da Cidade do Recife (MCR), localizado no Forte das Cinco Pontas, com a abertura, às 16h, da exposição “Zeppelin: Recife-Rio” e o lançamento de dois livros sobre a época de ouro dos dirigíveis. O evento é organizado pelo escultor e produtor cultural Jobson Figueiredo numa parceria do Poço Cultural com a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe).

Um dos livros a ser lançado é o histórico diário de Carl Bruer, publicado em 1931 na Alemanha e que ganha, pela primeira vez, uma edição em português. Intitulado “Com o ‘Graf Zeppelin’ para Pernambuco”, a obra conta, em detalhes, a viagem do autor da Alemanha para Brasil numa narrativa rica em descrições, fotografias e ilustrações. Também será lançado o livro “No céu do Rio: registro histórico do Zeppelin no Rio de Janeiro”. Publicada em três línguas (português, alemão e inglês), a obra traz um apanhado da passagem dos dirigíveis pela Cidade Maravilhosa, que, àquela época, era a capital brasileira. Escrito por Jobson Figueiredo, Igor Colares e Helton Cezário, o livro apresenta fotografias, análises e curiosidades sobre fatos da época.

A exposição reunirá imagens do Graf Zeppelin e objetos relacionados aos dirigíveis. Haverá painéis do Zeppelin no Recife (observado por Carl Bruer) e também do dirigível no Rio de Janeiro. Também colecionador, Jobson Figueiredo exporá medalhas, fotografias estereoscópicas, livros, selos, postais e objetos originais dos dirigíveis, como um porta-ovo de porcelana, estereoscópios de mão e de mesa e elmo.

Postais

A exposição ficará em cartaz até 21 de junho, e o visitante tem à disposição na lojinha do MCR vários postais referentes às passagens do Zeppelin pela capital pernambucana. As imagens integram a “Coleção Postais do Recife” e trazem imagens do dirigível na torre de atracação no Campo do Jiquiá e voando sobre o Recife. As fotografias foram produzidas pelos fotógrafos Alexandre Berzin, Severino Fragoso, Mário de Carvalho e José Césio Rigueira Costa. Os postais estão à venda na lojinha do Museu, que fica no Forte das Cinco Pontas, pelo valor de R$ 2 (unidade). Quem comprar o conjunto do seis postais será presenteado com uma embalagem especial para armazenar os cartões.

Dirigíveis

A era de ouro dos dirigíveis ocorreu na década de 1930, e o primeiro foi o Graf Zeppelin, que recebeu o nome de seu inventor, o conde alemão Ferdinand Von Zeppelin. Por sete anos, o Recife recebeu viagens do veículo, vindo da Alemanha. Os voos dos dirigíveis foram encerrados quando o modelo Hindenburg explodiu em pleno ar em maio de 1937 quando se preparava para atracar em Nova Jersey, nos Estados Unidos, matando 36 pessoas.

Serviço:

“Zeppelin: Recife-Rio”
Abertura: domingo (21 de maio), às 16h
Visitação: 21 de maio a 21 de junho, de terça a domingo, das 9h às 17h
Informações: (81) 3355-9558
By | 2017-05-16T08:10:43+00:00 16 de maio de 2017|Exposições Atuais, Notícias|0 Comentários

Deixar Um Comentário