Assine nossa Newsletter

Cadastre-se para receber as últimas notícias do Museu.


Exposição “Cinco Pontas” celebra indicação do forte recifense a patrimônio da Unesco

Achados arqueológicos, pinturas e documentos ainda inéditos para o público, e que contam a história do edifício, ficarão expostos por um ano

Em quase 400 anos de existência, o Forte das Cinco foi base para navegadores, depósito, prisão e quartel militar. Desde 1982 é o Museu da Cidade do Recife e, em breve, pode se tornar patrimônio cultural mundial da humanidade. A exposição “Cinco Pontas”, aberta ao público a partir de 12 de março, aniversário do Recife, chega para celebrar a indicação do forte ao posto oferecido pela Unesco.

“A intenção da exposição é mostrar para o recifense a importância desse edifício como patrimônio histórico, simbólico e físico da Cidade”, explicou Betânia Correa de Araújo, diretora do museu. Além disso, marca o início do Projeto de Educação e Patrimônio Compartilhado, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que estimula a interação entre alunos de escolas da rede pública e as fortificações que pleiteiam o título: Orange em Itamaracá, Brum e Cinco Pontas, no Recife. “Para isso, vamos utilizar uma metodologia desenvolvida pelo Iphan, que leva em consideração as experiências afetivas de cada indivíduo”.

As instalações passearão por épocas contando o papel da edificação em diversos momentos históricos da capital pernambucana. Na primeira etapa, monstros marinhos, encontrados nas cartografias e azulejos do século XVI, evocam os medos dos homens do mar no período das navegações. Gravuras do período holandês, quando a Europa pouco sabia sobre as terras de cá, mostram como os estrangeiros enxergavam o Recife. Duas belíssimas telas de Baltazar da Câmara e Murillo La Greca também compõem o acervo, bem como desenhos de Frans Post, mapas históricos, fotografias, textos, achados arqueológicos feitos no interior do prédio (balas, cachimbos, conchas) e objetos de demolição da Igreja dos Martírios.

A exposição ainda conta com animações, imagens atuais do Forte das Cinco Pontas sob um ponto de vista ainda pouco explorado da arquitetura do edifício (feitas com ajuda de um drone) e vídeo-aulas, gravadas com o arqueólogo Ulisses Pernambucano, o professor e arquiteto Pedro Valadares e o arquiteto e urbanista José Mota Meneses.

Educação patrimonial

No dia 12 de março, quando tem início a exposição, o Iphan, em parceria com a Embaixada da Holanda no Brasil e a Associação de Amigos do Museu da Cidade do Recife (Amuc), firmam um convênio de colaboração para realização do Projeto de Educação e Patrimônio Compartilhado. A iniciativa vai oferecer a professores selecionados da rede pública de ensino uma formação de 40h sobre os três fortes pernambucanos que compõem o Conjunto de Fortificações do Brasil a ser apresentado a Unesco como Patrimônio Mundial: forte Orange em Itamaracá, Brum e Cinco Pontas, no Recife.

O objetivo do projeto é a interação mais profunda entre os alunos de escolas e as fortificações. O projeto prevê a participação de 180 alunos (60 para cada fortificação) que, em parceria com seus professores, constituirão um inventário dos bens culturais de cada lugar, utilizando literatura, fotografia, artes visuais e cinema. A previsão é que, em novembro de 2018, os resultados sejam apresentados em uma exposição itinerante e em uma publicação que poderá circular pelo Brasil e pela Holanda.

Indicação da Unesco

O Forte das Cinco Pontas, junto com o do Brum e o Orange, é candidato a patrimônio cultural mundial da humanidade. A candidatura desses três fortes localizados em Pernambuco integra o conjunto de 19 fortificações brasileiras que pleiteia título, dado pela Unesco. Além das edificações de Pernambuco, há também do Amapá, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. “É uma seleção de 19 monumentos representativos das construções defensivas implantadas no território brasileiro, nos pontos que serviram para definir as fronteiras marítimas e fluviais que resultaram no maior País da América Latina”, define o Iphan.

Serviço

Exposição Cinco Pontas

Início: 12 de março de 2018

Horário: terça a domingo, das 9h às 17h

Informações: (81) 3355-9558 e 3355-9540 (visita com os educadores do museu devem ser agendadas por telefone)

Entrada: gratuita

By | 2018-03-19T13:42:42+00:00 8 de março de 2018|Exposições Atuais, Notícias|0 Comentários

Deixar Um Comentário